'Sair é uma possiblidade', diz Barbosinha sobre partido fruto de fusão entre DEM e PSL

Segundo o parlamentar, a permanência está condicionada a quem deverá presidir a nova sigla, que ainda precisa ser homologada

BATANEWS/MIDIAMAX


Deputado Barbosinha, do DEM - (Foto: Luciana Nassar, Alems)

'Sair do partido é uma possibilidade', afirmou o deputado estadual de Mato Grosso do Sul Barbosinha, do DEM, sigla que se ligou ao PSL, criando o União Brasil, em convenções feitas na semana passada. Falta, ainda, a homologação da nova legenda pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Segundo o parlamentar, um dos fatores para permanência ou eventual saída é saber quem vai comandar o partido no Estado. Atualmente, o DEM é presidido provisoriamente por José Saraiva Braz e, o PSL, pela senadora Soraya Thronicke. 

'Ainda estou avaliando. Preciso saber quem irá comandar o partido no estado. Essa construção vem de cima pra baixo e, neste contexto, sair do partido é uma possibilidade'. Colega do DEM na Assembleia Legislativa, o deputado Zé Teixeira afirmou na semana passada que, independentemente de ficar ou sair da nova sigla, permanecerá ao lado da ministra Tereza Cristina (DEM/MS).

Condiciona também a permanência ao destino da coordenação novo partido. “O presidente do DEM, Antônio Carlos Magalhães Neto, deve decidir quem vai comandar por aqui. Se o DEM garantir palanque para o Bolsonaro, podemos ficar', acrescentou.