Mulher acusa empresário de enganar menina menor de idade para transferir imóvel para o nome dele em Bataguassu

BATANEWS/CENARIOMS


Uma mulher de 35 anos procurou a Delegacia de Polícia Civil de Bataguassu para registrar o desenrolar em torno de uma negociação mal sucedida. 

A mulher que é moradora do Bairro Acapulco em Bataguassu, alega que em setembro de 2020, vendeu um terreno no valor de R$ 22 mil reais localizado no Bairro Campo Grande, na Rua Aparecido Pelegrini, dos quais, R$ 14 mil foram pagos e os R$ 8 mil restantes deveriam ter sido quitados em dezembro daquele ano.

Segundo ela, a quitação definitiva nunca aconteceu. 

A partir de então, a mulher assegura que o terreno passou a figurar diversas negociações entre outros compradores até que o primeiro comprador passou a contatá-la para pedir que assinasse o recibo de transferência do terreno.

Neste momento, o imóvel já estava em poder do proprietário de uma pizzaria de Bataguassu.

Segundo a mulher, o empresário havia adquirido o terreno de terceiros e pretendia dá-lo como parte do pagamento afim de adquirir o imóvel onde atualmente já funciona sua pizzaria. 

A mulher também afirma que, desde que as negociações do terreno entraram em dívidas, devido à pendência dos R$ 8 mil restantes, ela decidiu passar o tereno para o nome de uma sobrinha, que é menor de idade. 

A mulher contou que colocou o empresário a par da situação, informando que o primeiro comprador havia deixado de pagar os 36% do valor do imóvel. Que assim que a dívida fosse quitada, ela, acompanhada da sobrinha que é menor de idade e seu responsável legal, assinariam o documento de transferência do terreno. 

Segundo o boletim de ocorrência, o empresário teria advertido a mulher de que não poderia perder o negócio com o dono do local onde funciona sua pizzaria, pois as tratativas já estariam em fase avançada e ele precisava entregar imediatamente a documentação do terreno do Bairro Campo Grande ao dono da imobiliária. 

O registro da ocorrência também afirma que o empresário decidiu assumir a dívida de R$ 8 mil reais para a quitação do terreno, porém a transferência do valor nunca a aconteceu. 

A mulher afirma que desde então, o empresário não a procurou mais, mas que passou a investigar quem seria sua sobrinha, a atual proprietária legal do imóvel. 

Segundo o registro policial, o empresário teria abordado a menina, que é menor de idade, em sua casa, desacompanhada, e dito à ela que a negociação estaria resolvida, fazendo a menina assinar o documento de transferência do imóvel. 

A mulher afirma que a menina foi enganada pelo empresário.

Segundo ela, a garota desconhece a lei e como funcionam as negociações de compra e venda do documento que assinou. 

O caso foi registrado como preservação de direito.

A mulher afirma que, junto com advogados, pretende acionar a justiça para responsabilizar o empresário pela conduta de má-fé contra ela e a sobrinha menor de idade.

Ela também reivindica que o empresário efetue o pagamento de R$ 8 mil reais pendentes pela venda do imóvel.