Ida e volta para o trabalho conta como exercício? Veja mitos e verdades sobre atividades físicas

Especialista dá dicas sobre horários, intensidade e alimentação antes e depois dos treinos

BATANEWS/R7 / SAúDE | MARCELA VIRGULINO* DO R7


Acordar e se preparar para mais um dia nem sempre é fácil, ainda mais se for necessário equilibrar as atividades profissionais, pessoais e ainda praticar exercícios físicos. Quem frequenta a academia ou deseja se dedicar mais ao seu próprio corpo se depara com dúvidas sobre o que fazer na hora do treino. A busca pela qualidade vida não é segredo para ninguém os benefícios vão muito além da estética corporal, o condicionamento, a disposição, o humor e noites de sono tranquilas são alguns dos exemplos que proporcionam bons momentos e principalmente evitando futuras doenças. A médica do exercício e do esporte, do Hospital Edmundo Vasconcelos, em São Paulo, Silvana Vertematti dá algumas dicas que podem ajudar a melhorar o seu desempenho  

O corpo reage diferente ao horário que faz o exercício?  VERDADE. 'Depende do tipo de exercício. Por exemplo, tem estudos que demonstram que o exercício aeróbico, com gasto de energia, com aqueles exercícios mais duros, que você ativa mais vias metabólicas'. Esses exercícios têm um melhor efeito quando eles são realizados pela manhã, porque eles coincidem com o pico de um hormônio, que são nossos hormônios do estresse, o cortisol. Então esse pico do cortisol acontece de manhã até mais ou menos umas nove horas da manhã

Pessoas que começam a jornada de trabalho pela manhã terão problemas em fazer exercícios à tarde ou à noite? MITO. Não tem problema em realizar os exercícios à tarde ou à noite. A pior hipótese é não fazer nenhum tipo de atividade física. 'Ah! Não vou fazer porque eu não estou no horário certo'; Não é essa ideia. Silvana destaca que o principal é organizar e conseguir realizá-los no horário em que se adeque com a vida profissional

Se fizer exercício todo dia no mesmo horário é melhor para o corpo?  VERDADE. 'O que realmente acontece é que pessoas que fazem todo dia no mesmo hora já atingiram uma meta de organização. Vão conseguir ter um um efeito melhor do que os outros que não tem essa estruturação toda. Então, a pessoa sempre faz o mesmo horário, é uma sincronicidade. Ela tem melhor efeito? Qual é o efeito esperado? O efeito de emagrecimento? Essa pessoa está se exercitando com exercícios aeróbicos de gasto energético pela manhã? Então é claro que ela vai ter um melhor desempenho, melhor resultado'. A especialista lembra que a OMS (Organização Mundial da Saúde) recomenda ao menos com 150 minutos por semana ou 30 minutos por dia

Ida e volta para o trabalho conta um exercício? DEPENDE. 'O ir e vir do trabalho até está dentro de uma situação [em] que a pessoa está se exercitando, mas ela não é a mesma coisa. Digamos assim, ele vai contar, mas não vai contar da mesma forma que uma pessoa que coloca um tênis, uma roupa confortável, [que vai] se sentir confortável fazendo aquela modalidade. O benefício vai ser melhor se o indivíduo gerenciar suas atividades'

Ha falta de tempo, os deslocamentos diários ajudam?  DEPENDE. A especialista sugere que se não houver tempo disponível para a prática de exercício, a pessoa busque substituir alguns 'confortos' por hábitos que podem ser benéficos. 'Por exemplo, ao invés de pegar o elevador, subir de escada: são pequenas coisas que, de repente, podem estar fazendo para, pelo menos, manter o mínimo de atividade física diária'

Até que ponto fazer hits de treinamentos é real? E o que é verade? DEPENDE. 'É um exercício que tem muitos benefícios até, por exemplo, para você agregar como tratamento para algumas doenças, para asma, diabetes... você tem muita vantagem com o hit'. Mas a médica alerta que eventualidades milagrosas são suspeitas, já que nosso organismo tem um tempo para o efeito fisiológico, de meia hora a uma hora

E os hits de 20 minutos ajudam? VERDADE. Silvana reitera: 'Melhor 20 minutos de hit do que nada, mas sabemos que os melhores benefícios de tempo de atividade física ficam entre 30 minutos e uma hora, em média 40 minutos. Esses são os melhores benefícios porque você tem toda uma estratégia do organismo para trabalhar frente ao exercício. Justificaria fazer menos tempo? Sim, mas ainda a gente não tem um estudo comprovado com uma metodologia adequada para isso'

Tempo e intensidade impactam na perda de peso? VERDADE. 'Para queimar gordura, ou você faz um exercício de moderada intensidade por mais tempo – no mínimo, de meia hora a 40 minutos – ou você faz o exercício de intensidade leve a moderada, que vai precisar de mais tempo para que ele tenha efeito', explica a médica

Tenho que esperar algum tempo entre refeição e exercício? VERDADE. Silvana orienta a fazer refeições entre uma hora e meia e duas horas antes do início das atividades físicas. Este é o tempo que o organismo vai levar para suprir o corpo com os nutrientes necessários. Segundo a especialista não é uma estratégia inteligente ficar muitas horas sem comer. Optar por carboidratos de qualidade ajuda o indivíduo a não sentir indisposições

Pós-treino A médica afirma que é essencial uma alimentação equilibrada após as atividades físicas para auxiliar o corpo no processo de recuperação muscular. 'É importante que nesse período nós tenhamos uma alimentação que tenha carboidratos e proteínas, uma relação de 60% a 40%, [respectivamente], mais ou menos.' Ela reforça ainda que shakes proteicos seguem aproximadamente a mesma regra de consumo de carboidratos e proteínas. Outra opção são as bebidas esportivas que contenham de 6% a 8% de carboidratos

Todo mundo em qualquer idade precisa realizar musculação?  VERDADE. 'Os endocrinologistas falam que o músculo é um órgão endócrino. Da mesma forma que você cuida bem do seu pâncreas, tem que cuidar bem do seu músculo', afirma Silvana. Ela reforça que todos devem fazer musculação, mas de forma diferente da halterofilista, que objetiva o ganho de massa muscular com treinos de alta intensidade. Para ficar saudável, não precisa ficar musculoso, o importante é trabalhar o músculo para não perder massa muscular *Estagiária do R7 sob supervisão de Fernando Mellis.

Freepik